Adolescente anglo-portuguesa pode perder herança do pai devido a tribunal

Em causa está um património de cerca de meio milhão de libras.

Uma adolescente anglo-portuguesa residente no Reino Unido corre o risco de perder o direito à herança do pai devido à decisão de um tribunal islâmico no Dubai, adiantou esta sexta-feira à agência Lusa uma organização de apoio judicial britânica.

Radha Stirling, a diretora executiva da organização “Detained in Dubai”, criada para dar apoio jurídico a pessoas com problemas com a justiça daquele estado árabe, afirmou estar em causa um património de cerca de meio milhão de libras (566 mil euros).

A ativista disse que Paris Shahravesh de 14 anos, ficou “chocada” ao saber que, poucos dias depois da morte, a 03 de março do pai, Pedro Correia dos Santos, a viúva, Samah al-Hammadi, pediu um certificado sucessório.

Um tribunal aprovou o documento no dia 12, o qual não refere a existência da única filha do português. Posteriormente apurou-se que Paris não foi incluída por alegadamente ser cristã, o que, de acordo com a lei Sharia, dá prioridade da herança aos muçulmanos.

A mãe de Paris e ex-mulher de Pedro dos Santos, Laleh, que é anglo-iraniana, disse que a sua família sempre foi muçulmana e que Pedro converteu-se mais tarde ao islamismo.

“Paris nunca foi cristã e, dado que é menor de idade, é considerada sob a lei da Sharia como muçulmana”, vincou, citada pela “Detained in Dubai”.

Uma audiência num tribunal no Dubai para contestar o certificado sucessório está prevista para 12 de junho. Pedro Correia dos Santos foi casado durante cerca de 18 anos com Laleh Shahravesh, com quem viveu durante oito meses no Dubai, mas esta regressou ao Reino Unido com a filha na expectativa de o marido se juntar mais tarde. Porém, este pediu o divórcio em 2016 e casou com uma mulher tunisina.

No início deste ano, Laleh Shahravesh esteve presa durante quase um mês no Dubai, onde se deslocou com a filha para o funeral do ex-marido, por ter chamado “cavalo” à nova mulher numa mensagem colocada numa rede social.

Fonte: Lusa