As acusações de acobertamento de crimes de guerra pelo governo e forças armadas britânicas

O governo e as Forças Armadas do Reino Unido estão sendo acusados ​​de encobrir o assassinato de civis por tropas britânicas no Afeganistão e no Iraque.

Uma investigação do programa Panorama, da BBC, e do jornal Sunday Times entrevistou 11 investigadores britânicos que disseram ter encontrado evidências consistentes de crimes de guerra. Os soldados deveriam ter sido processados ​​pelos assassinatos, dizem ainda os entrevistados.

O Ministério da Defesa britânico rejeitou o que chamou de alegações “infundadas” de que teria se omitido diante dos casos.

As novas evidências vieram de membros do extinto Iraq Historic Allegations Team (IHAT), organização composta por investigadores ou ex-investigadores da Polícia, da Polícia Militar e da Marinha criada pelo governo para investigar alegações de abusos e torturas cometidos por tropas britânicas no Iraque, e da Operação Northmoor, que investigava alegações semelhantes no Afeganistão.

O governo decidiu encerrar o IHAT e a Operação Northmoor depois que Phil Shiner, um advogado que havia levado mais de mil casos ao IHAT, teve seu registro cassado por ter pago assistentes para buscar clientes no Iraque.

Mas ex-membros do IHAT e da Operação Northmoor disseram que as ações de Phil Shiner foram usadas como desculpa para encerrar o trabalho dos órgãos, cujas investigações acabaram não levando a nenhuma acusação de fato.

Um investigador do IHAT disse ao Panorama: “O Ministério da Defesa não tinha a intenção de processar qualquer soldado de qualquer patente que fosse, a menos que fosse absolutamente necessário e eles não pudessem se esquivar disso”.

Outro investigador disse que as vítimas de crimes de guerra foram ignoradas: “Uso a palavra ‘nojento’. E sinto pelas famílias porque… elas não estão tendo justiça. Como você pode manter a cabeça erguida como britânico?”

À BBC, o secretário de Relações Exteriores britânico, Dominic Raab, garantiu que “todas as alegações que tinham provas foram analisadas”.

‘Isso não é verdade’

O Panorama reexaminou as evidências de diversos casos de crimes de guerra que passaram pelos órgãos. Um deles, sob a guarda do IHAT, refere-se ao assassinato de um policial iraquiano por um soldado britânico em Basra, no ano de 2003.

Raid al-Mosawi foi baleado em um beco quando deixava a casa da família, e morreu pouco depois, em decorrência dos ferimentos. O incidente foi investigado na época pelo major Christopher Suss-Francksen.

Em 24 horas, Suss-Francksen concluiu que a atuação do soldado britânico foi regular porque o policial iraquiano teria disparado primeiro, fazendo o militar agir em legítima defesa. Seu relatório dizia que outro soldado britânico havia assistido à troca de tiros, confirmando que o iraquiano havia disparado primeiro.

Os investigadores do IHAT passaram dois anos investigando o caso e entrevistaram 80 soldados britânicos, incluindo aquele que supostamente testemunhou o tiroteio — mas ele disse às equipes que não estava no local na hora do incidente.

Em sua declaração ao IHAT, o soldado contradisse diretamente o relatório de Suss-Francksen: “Este relatório é impreciso e dá a impressão de que eu era uma testemunha ocular. Isso não é verdade”. O depoente disse que ouviu apenas um tiro, o que sugere que o policial não disparou. Isso foi confirmado por outras testemunhas entrevistadas pelo IHAT.

Os investigadores concluíram que o soldado que matou Raid deveria ser processado pelo assassinato e que Suss-Francksen deveria ser acusado por encobrir o que aconteceu. Mas os promotores militares não levaram ninguém ao tribunal.

O advogado de Suss-Francksen disse: “Meu cliente não viu o material do IHAT. Assim, não pode fazer nenhum comentário sobre a qualidade ou a confiabilidade das evidências reunidas pelos investigadores ou explicar por que elas eram insuficientes para levar à acusação do soldado sob a lei britânica”.

A Operação Northmoor foi criada pelo governo em 2014 e analisou 52 supostas mortes ilegais. Seu fechamento foi anunciado pelo governo antes que os investigadores da Polícia Militar tivessem a chance de recolher depoimentos das principais testemunhas afegãs.

Um detetive da Northmoor disse: “Eu não cancelaria uma missão até ter falado com ambas as partes. Se você está cancelando e a única coisa que tem é o lado britânico, onde isso é uma investigação?”

“Minha opinião é a de que todas essas mortes mereciam ser apuradas e que o devido processo legal deveria ser cumprido.”

Autoridades e representantes de militares comentam reportagem

O Ministério da Defesa disse que as operações militares são conduzidas de acordo com a lei e que houve uma extensa investigação de supostas violações.

“As investigações e decisões por acusações são justamente independentes do Ministério da Defesa e envolveram supervisão externa e aconselhamento jurídico”, disse um porta-voz à BBC. “Após uma análise cuidadosa dos casos referidos, a promotoria independente decidiu não levar os processos à frente.”

“As alegações da BBC foram passadas às autoridades, que continuam abertas a considerar as alegações.”

Questionado no domingo sobre as acusações, Raab disse que o Reino Unido quer “assumir a responsabilidade onde houver erros”.

“O que estamos fazendo é garantir que acusações hipotéticas ou sem evidências não levem à nuvens de suspeita pairando sobre pessoas que serviram a seu país anos a fio — e conquistarmos um equilíbrio correto nisso.”

Raab se recusou a comentar se essas acusações são novas para ele e disse que as autoridades de corregedoria e investigação das forças armadas britânicas são “das mais rigorosas do mundo”.

Enquanto isso, um advogado que representou vários soldados investigados pelo IHAT classificou as acusações de crimes de guerra como “falhas, infundadas e tendenciosas”.

Hilary Meredith, presidente de um escritório especializado em processos envolvendo militares, disse por sua vez que as acusações são um “caça às bruxas contra nossos bravos soldados”, alegações que “não têm credibilidade alguma”.

Ela acrescentou: “Phil Shiner, que planejou inúmeras acusações falsas, foi suspenso por um bom motivo — ele foi considerado culpado, incluindo pela desonestidade trabalhando com falsas testemunhas sobre as ações dos soldados britânicos”.

Fonte: BBC