Parlamento britânico ganha formato virtual

O governo britânico deverá criar um parlamento virtual para permitir que os deputados possam escrutinar a resposta de Boris Johnson à crise do coronavírus. A notícia é avançada pelo The Guardian, que afirma ter sido o Speaker da Câmara dos Comuns, Lindsay Hoyle, e os partidos da oposição a pedir esta medida.

Foi na passada quarta-feira à noite que se deu a conhecer este cenário que, em grande parte, é invocado para responder às preocupações crescentes de que o governo não está a conseguir controlar a crise: já são várias as denuncias de que profissionais de saúde estão em risco por falta de equipamento de proteção e falta de testes para o vírus (cenário que se repete por todo o mundo).

Jacob Rees-Mogg, o líder da Câmara dos Comuns, anunciou a medida num comunicado onde se lia que o governo e o parlamento esperavam ter a tecnologia necessária para começarem a funcionar neste registo a partir de 21 de abril, data em que os políticos devem retornar a Westminster, lê-se na BBC.

Rees-Mogg escreve que o papel do Parlamento é “fiscalizar o governo, autorizar gastos e elaborar leis” e isso deve ser cumprido nestes “tempos sem precedentes”. Isso implica que sejam consideradas “todas as soluções tecnológicas disponíveis”. “Estamos a explorar opções junto das autoridades parlamentares que estão prontas para o regresso do parlamento “, rematou.

O governo foi pressionado a estabelecer um “parlamento virtual” depois de uma intervenção Hoyle. Numa carta que o mesmo enviou a Rees-Mogg, diz que os deputados têm de poder questionar o primeiro-ministro, seus departamentos e ministros, mesmo que estejam todos fora de Westminster.

Cem deputados do Partido Trabalhista, do Partido Nacional Escocês e do Partido Verde escreveram uma carta na semana passada ao secretário da Câmara dos Comuns, John Benger, a pedir o seu apoio na criação de uma forma de parlamento digital.

O parlamento foi encerrado há cerca de uma semana, à medida que o número de casos de Covid-19 em Westminster aumentava. Os deputados devem voltar em 21 de abril.

Fonte: ObserverPT/BBC/Guardian