Coronavírus: funcionários de companhias aéreas são solicitados para ajudar em hospitais

Milhares de funcionários das companhias aéreas EasyJet e Virgin estão recebendo ofertas de trabalho para reforçar o sistema público de saúde britânico (NHS).

O NHS informou que os funcionários que se inscreverem apoiarão enfermeiros e médicos em um hospital de campanha montado em Londres em meio a esforço para combater o coronavírus, o Hospital NHS Nightingale, no leste da capital inglesa.

A Virgin Atlantic disse que seus funcionários que ajudarem nessa missão serão pagos por meio do programa de manutenção de emprego do governo britânico, que foi anunciado para apoiar empregadores cujas operações foram severamente afetadas pelo coronavírus.

Segundo o NHS, muitos do funcionários das companhias aéreas foram treinados em primeiros socorros e já tinham habilitação de segurança.

Os trabalhadores das companhias aéreas podem arrumar camas do hospital e executar tarefas que não são clínicas, além de ajudar médicos e enfermeiras que trabalham nas enfermarias, segundo o NHS.

Mais dois hospitais temporários serão construídos nas cidades de Birmingham e Manchester. E o NHS disse que está considerando a construção de hospitais em outros locais do Reino Unido.

Além do hospital no leste de Londres, os funcionários da Virgin Atlantic e da EasyJet foram convidados a se voluntariar nos locais planejados em Birmingham e Manchester.

A Virgin Atlantic disse ter mandando mensagens para cerca de 4 mil funcionários, enquanto a EasyJet disse que entrou em contato com 9 mil de seus funcionários no Reino Unido – metade dos quais são treinados em primeiros socorros.

As restrições de viagens e a queda na demanda por causa da pandemia obrigaram as companhias aéreas a cancelar a maioria dos voos e reduzir temporariamente o quadro de funcionários.

A Virgin Atlantic cortou quatro quintos de seus voos e pediu a funcionários que tirassem oito semanas de férias não remuneradas.

As notícias do esquema de trabalho no sistema de saúde chegaram quando a EasyJet anunciou que havia parado toda a sua frota por causa da pandemia de coronavírus.

Tina Milton, da EasyJet, disse que a tripulação de cabine “pode ​​fazer uma diferença real”.

O número de casos confirmados de coronavírus em Londres está bem à frente do restante do Reino Unido. A capital tem cerca de um terço de todas as mortes relacionadas ao vírus.

Na semana passada, o governo anunciou que transformaria o Centro ExCeL, em Londres, em um hospital temporário para lidar com o surto.

O London City Airport, nas proximidades, interrompeu todos os voos comerciais e o aeroporto será oferecido ao governo “para ajudar no esforço nacional” contra o coronavírus.

“O NHS está se mobilizando como nunca antes, mas a escala desse desafio não foi vista em tempos de paz, por isso precisamos de todo o apoio possível”, disse a chefe de enfermagem da Inglaterra, Ruth May.

“Milhares de enfermeiros, médicos e outras equipes especializadas estão retornando para trabalhar ao nosso lado, mas precisamos que todos façam a sua parte”.

A Virgin Atlantic disse que os funcionários que aceitarem a oferta receberão acomodações e refeições gratuitas.

Fonte: BBC