Banksy junta-se à luta anti-racismo

O artista de rua britânico Banksy divulgou este sábado a sua obra mais recente, uma homenagem ao movimento de luta contra o racismo nos Estados Unidos, a propósito do assassinato do cidadão afro-americano George Floyd às mãos da polícia norte-americana.

Através da rede social Instagram, como é hábito, o artista britânico, cuja real identidade permanece um mistério, exibiu uma pintura na qual figura uma bandeira dos EUA pendurada na parede. No chão, um pequeno memorial a uma vítima desconhecida — percebe-se apenas um rosto negro indefinido.

Uma das velas do memorial queima a ponta da bandeira norte-americana, percebendo-se que o fogo se vai propagar ao resto da bandeira rapidamente. Antes da imagem da obra completa, Banksy exibe uma imagem de pormenor em que se vê apenas o retrato da vítima desconhecida e a vela que arde.

A obra de Banksy em homenagem ao movimento de luta anti-racismo nos EUA

Às imagens, Banksy juntou uma mensagem: “De início, pensei que devia simplesmente calar-me e ouvir as pessoas negras sobre esse assunto. Mas porque haveria de o fazer? Não é problema delas. É meu”.

“O sistema está a falhar às pessoas de cor”, continua Banksy. “O sistema branco. Como um tubo roto a inundar o apartamento de baixo. O sistema defeituoso está a tornar as vidas deles miseráveis, mas resolver o problema não é uma tarefa para eles. Não podem — ninguém os vai deixar entrar no apartamento de cima.”

“Este é um problema branco. E se os brancos não o resolverem, alguém vai ter de subir as escadas e arrombar a porta”, conclui o artista.

Banksy junta-se desta forma à onda de protestos, que este sábado se concretizou em manifestações em cidades de todo o mundo, depois da morte de George Floyd, de 46 anos, na cidade norte-americana de Minneapolis, no estado do Minnesota, deitado no chão com vários agentes da polícia em cima dele, incluindo um agente ajoelhado no pescoço de Floyd — uma técnica de imobilização que consiste em reduzir a circulação de sangue para o cérebro pressionando a artéria carótida.

Floyd tinha sido detido pela polícia por ser suspeito de ter usado uma nota de 20 dólares falsa para pagar as compras que fez numa loja.

Fonte: Observer