Portugal: brasileiros que vendiam passaportes falsos são presos

Dois brasileiros foram presos nesta segunda-feira (28) em Lisboa, acusados de falsificação de documentos e crimes informáticos. Conforme a diretora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Cristina Gatões, eles são suspeitos de fazerem parte de uma rede internacional de falsificação.

 

Em declarações à imprensa nesta terça-feira (29), ela explicou que o grupo vendia os passaportes falsos na chamada dark web, que utiliza de servidores especiais difíceis de serem localizados. Um passaporte chegava a custar 10mil euros. Conforme Cristina, eram comercializados documentos falsos de várias nacionalidades, entre europeus, americanos e árabes.

Os acusados usavam criptomoedas nas transações e “movimentavam significativas quantias de dinheiro”, explica nota do Sef: “o que lhes permitia, além do avultado lucro, obter tecnologia de ponta para a elaboração de milhares de documentos falsos de elevada qualidade”, ressaltam.

Os agentes apreenderam diversos equipamentos de última tecnologia, como impressoras 3D e computadores. Também foram apreendidos documentos já falsificados, entre eles passaportes, carteiras de habilitação, títulos de residência e cartões de débito/crédito.

A operação que prendeu a dupla de brasileiros foi chamada de “Fewas”. De acordo com a diretora da imigração, foram dois anos de investigações, realizada em conjunto com a Polícia Federal (PF) do Brasil, além de autoridades policiais da França, Reino Unido e Espanha.

Cristina assinalou que foi uma das maiores operações realizadas nos últimos anos na Europa. Ela ainda acrescentou que as investigações continuam. Os dois presos ficarão em prisão preventiva.

Fonte:AE