Começa o ano novo chinês. 2021 é o ano do boi

Nesta sexta-feira, 12, os chineses entram no Ano do Boi, que corresponde ao ano 4719 naquele calendário, e que terminará a 31 de janeiro de 2022

Voce e a sua família já celebraram a passagem para o novo ano na noite de 31 de dezembro, mas é agora que os chineses e outros povos asiáticos vão fazer a festa. E se, para nós, este é o ano 2021, na China, comemora-se a entrada em 4719!

Isto acontece porque nós nos regemos pelo calendário gregoriano, ou solar, enquanto na China seguem o calendário lunar. Há por isso quem se refira a este feriado como Ano Novo Lunar. Um ano é o fim de 12 ciclos completos da Lua, e o que marca o Ano Novo é a primeira Lua Nova após o solstício de inverno (noite mais longa do ano, que marca o início do inverno).

O calendário gregoriano, por sua vez, foi criado pelo Papa Gregório XIII, em fevereiro de 1582, e foi feito com base no calendário romano. Sabias que existem outros calendários diferentes mundo fora?

 

O ano do Boi

No calendário chinês, os anos são dedicados a animais. E, tal como os nossos meses, são doze: Rato, Boi, Tigre, Coelho, Dragão, Serpente, Cavalo, Carneiro, Macaco, Galo, Cão e Porco. Hoje começa o ano do Boi, que para a cultura chinesa é muito valioso, pois ajuda muito nos trabalhos agrícolas.

Desta maneira, segundo a astrologia chinesa, espera-se a chegada de um ano de trabalho árduo, em que conseguiremos ultrapassar desafios. E o sucesso será resultado de muita disciplina, perseverança e dedicação. Preparado?

Porque é que o calendário chinês tem animais?

A história do horóscopo chinês começa com uma lenda muito antiga. Buda convidou todos os animais da criação para uma festa de Ano Novo, e a cada um dos animais prometeu uma surpresa. Apenas doze compareceram; a cada um foi atribuído um ano, conforme a hora de chegada: Rato, Boi, Tigre, Coelho, Dragão, Serpente, Cavalo, Cabra, Macaco, Galo, Cão e Porco.

No fim da festa, os animais fizeram o seu juramento solene perante o Buda: cada um deles estaria sempre, por um dia e uma noite, pelo mundo, pregando e convertendo, enquanto os outros onze se empenhariam a praticar o Bem em silêncio.

O Rato inicia a sua jornada no primeiro dia da sétima Lua; procura persuadir os nativos do seu signo a praticarem boas ações e a corrigirem os defeitos dos seus temperamentos. Os demais bichos fazem o mesmo, sucessivamente, e o Rato reinicia seu trabalho no 13º dia.

Graças ao trabalho constante dos animais, Buda garante uma certa ordem no universo.

Fonte: Visão